O comércio de Miami comemora! As vendas estão a todo vapor. A volta dos brasileiros às compras e o expressivo crescimento do “mercado da saudade” justificam o cenário positivo.  Pra quem não sabe o mercado da saudade é o que é movimentado pela comunidade brasileira. São pessoas que vivem nos Estados Unidos e buscam produtos do seu país.  Os dois fatores fizeram com que o comércio da cidade crescesse 2,59 por cento, de US $ 68,4 bilhões para US $ 70,17 bilhões nos primeiros oito meses de 2017. Os números foram comparados ao mesmo período do ano anterior.

Comércio de Miami a todo vapor

De acordo com os dados da WorldCity que analisa o Censo dos Estados Unidos, as exportações de Miami aumentaram 4,59 por cento. As importações aumentaram 0,26 por cento. O superávit de Miami foi de US $ 6,82 bilhões. De olho neste mercado, brasileiros que moram na Flórida apostam, cada vez mais, na abertura de negócios lucrativos. Uma dessas opções são importadora de marcas brasileiras – ou produzidas no Brasil – que fazem sucesso na Flórida.

O chamado mercado da saudade é o segmento mais tradicional desse setor. As opções vão além de alimentos, vestuário e outros bens de consumo. Os empreendimentos englobam também serviços como salões de beleza, academias de musculação, de dança e de capoeira.

“Nossa proposta é ampliar a importação de marcas que tenham relação com a cultura não apenas dos brasileiros que moram aqui mas também da comunidade americana que, via de regra, tem sido bastante receptiva com os produtos importados. Nosso estudo de mercado provou que há uma onda de interesse americano por produtos do Brasil”, pondera Rogério Amado, expert em negócios e vendas que decidiu abrir a empresa RRX USA.

Segundo o estudo da WorldCIty, a importação de itens de vestuário gerou quase 930 milhões de dólares de janeiro a agosto deste ano. Em agosto, os cinco principais parceiros comerciais de Miami foram: 1 Brasil, 2 China, 3 Colômbia, 4 República Dominicana e 5 Chile.