Cada vez mais brasileiros fincam a bandeira em Miami. Quem acaba de chegar foi Office&Co., coworking brasileiro. A empresa inaugurou seu escritório próprio nos Estados Unidos há poucos meses. Miami foi o local escolhido por já ser um crescente destino de investimentos brasileiros. Mas claro que as condições climáticas, encanto das praias e qualidade de vida foram levadas em consideração.

Coworking: palavra do momento

Coworking é uma nova forma de pensar o ambiente de trabalho. Seguindo as tendências do freelancing e das start-ups, os coworkings reúnem diariamente milhares de pessoas a fim de trabalhar em um ambiente inspirador.

Essa união de pessoas permite que mais e mais escritórios se espalhem pelo país. No Brasil, contam-se mais de 100 espaços. No mundo todo, estima-se que já existam mais de 4.000 espaços em funcionamento.

Segundo a empresária brasileira, a unidade em Miami permite a aproximação dos clientes aos mercados latino e norte-americanos. E os custos são bastante atraentes.

“As pessoas não imaginam como pode ser acessível e fácil dar esse passo, colocando seus serviços e produtos disponíveis em uma economia forte, estável e crescente. Com todas essas qualidades, a cidade torna-se ideal para que empresários deem esse passo”, conta Renata Leal Costa, idealizadora e fundadora da Office&Co.

O número de brasileiros que escolhe Miami como destino de investimento, negócios e moradia cresce a cada dia. “A escolha da cidade foi estratégica por ser o principal polo de entrada de empresas para a América Latina fazendo uma importante ponte de negócios com São Paulo, capital financeira da América do Sul”, afirma Renata.

O espaço oferece amplas salas privativas, estações de trabalho dedicadas, estações compartilhadas, salas de reunião equipadas e escritório virtual. Networking internacional, oportunidade, crescimento e atendimento diferenciado, com acolhimento brasileiro.

No Brasil, coworking nasceu em 2008

Tudo começou no ano de 2008, quando os primeiros escritórios compartilhados inciaram suas atividades no Brasil. Naquela época, pouca gente sabia realmente o que era isso e ainda hoje tem muita dúvida sobre o assunto, especialmente no que se refere em como dividir um local. Também havia reclamações de todas as ordens, mas de lá para cá o próprio modelo de negócio mudou bastante para melhor atender os clientes.