Se você pesquisou a palavra locação na cidade de Miami no Google deve ter se deparado com esse termo. Short-term. Mas do que se trata exatamente? Simples. As pessoas buscam cada vez mais por praticidade, conveniência e economia. Em resposta a este movimento, surgiu a tendência batizada de “sharing economy”.

Parece complicado mas, na prática, são soluções criativas tanto para empreendedores quanto para quem busca soluções acessíveis, principalmente ao se deparar com pouco dinheiro disponível.

Short-term é tendência

Entre os exemplos de negócios compartilhados que seguem prosperando estão os aluguéis de temporada, conhecidos como short-term rental. Diferente dos contratos convencionais, há opções por dia, semana ou mês.

São quartos, kitnet, studio ou até mesmo apartamento compartilhado. A ideia é proporcionar maior liberdade para usar serviços de lavanderia ou cozinha. E também atender as necessidades de quem viaja a negócios, estudos ou turismo.

De acordo com especialistas, o negócio é uma ótima solução para quem busca opções de investimentos nos Estados Unidos. Só em 2016, no estado da Flórida, uma das empresas que operam neste segmento apresentou um faturamento de 273 milhões de dólares, alugando para cerca de 1 milhão e meio de pessoas.

Um apartamento de três dormitórios, de 180 mil, pode ser alugado por 1.900 dólares por mês. A manutenção fica em torno de 500 dólares por ano, além de condomínio e IPTU mais 550 dólares mensais. Líquido, mensal, sobram 1.350 dólares.

Mas se este mesmo imóvel estiver localizado no sul da Flórida e for alugado por temporada, a lucratividade aumenta. O proprietário pode cobrar até 60 dólares a diária, e ainda por quarto. Se você considerar três dormitórios, o resultado são 180 dólares, multiplicando por 30 dias, temos 5.400 dólares. Estipulando 70% de ocupação, é possível chegar a 3.780 dólares a mais em seus ganhos mensais menos a taxa da administração, que pode ser de até 15%.

Devido à alta rotatividade, a casa ou apartamento podem sofrem danos, mas em compensação, a margem de rentabilidade dobra.

Quer saber mais sobre investimentos em Miami? Clique aqui!